Dr. Climério Navarro Vieira

Meu Pai nasceu em 10/7/1932, um dia após o início da revolução constitucionalista de 32, na fazenda Bom Jesus, município de Botelhos, Minas Gerais, sendo o penúltimo dos 13 filhos de Da. Francisca Navarro Vieira e Climério de Paula Vieira, comendadores da Igreja católica.
Em 1939, aos 7 anos fez sua primeira comunhão, iniciando aí uma vida marcada pela religiosidade e um catolicismo praticante. Aprendeu as primeiras letras na escola da fazenda, alfabetizado por sua irmã mais velha e professora Da. Ana Navarro Vieira Lacerda.
Em 1944, com 11 anos de idade, entrou para o seminário seráfico de Santos Dumont – MG, de frades franciscanos, onde ficou por 4 anos até 1947, quando com 15 anos de idade saiu de lá, já um adulto praticamente.
Em suas próprias palavras “foram lindos anos se preparando para ser frade” onde os franciscanos efetivamente lhe ensinaram “a ser Homem, honesto, e ter personalidade forte” para “dominar tanto o corpo quanto a mente”.
Assim que foi estudar para padre, provavelmente seus pais, antevendo a necessidade futura de progresso financeiro, em 1944 adquiriram ações ordinárias da empresa MUZAMBINHO TEXTIL S.A, pelo valor de Cr$1.000,00 no total, em seu nome. Não se tem notícia que fim foi dado a essas ações, restando somente o documento acionário ‘Cautela de Ações”.
Ao deixar o seminário em 1947, voltou para Muzambinho, onde à época moravam seus pais, na rua Tiradentes, em frente à casa dos seus futuros sogros, Sr. João Modesto dos Santos e Dona Ursulina. Nesse momento já começou o interesse amoroso pela futura esposa e mãe de seus filhos, Odete dos Santos Vieira.
Nessa época foi ele estudar em Poços de Caldas, onde passou 2 anos frequentando o colégio Marista e morando na pensão de sua tia Estelita. Época de muita farra e diversão, porém que não logrou qualquer progresso nos estudos.
Por decisão conjunta com os seus Pais, voltou para Muzambinho para cursar o antigo curso Científico e o Clássico, que tratava das ciências humanas, no Colégio Salatiel de Almeida.
Entre 1950 e 1953, quando foi aluno do professor Paulo Vilhena, João Marques de Vasconcelos, além de outros, implementou oficialmente seu namoro com Odete Modesto, vindo a se casar ainda antes de terminar sua faculdade. Durante seus estudos em Muzambinho, chegou a participar de movimentos estudantis, em luta política, quando da intervenção no colégio, feita pelo governo no estado.
Nesse período, além de estudar, passou a acompanhar seu padrinho e irmão, o Padre Alberto Navarro Vieira, recém ordenado e presidente do jornal Diocesano da Diocese de Guaxupé. Nessa época fez muitas viagens de motocicleta por toda a região do sul de minas, na garupa do seu irmão Padre.
Em 1953 graduou-se no hoje chamado segundo grau, e em 1954 entrou para faculdade de odontologia de Alfenas.
Sob influência de seu irmão mais velho, Sebastião Navarro Vieira, também dentista, decidiu transferir-se para a faculdade de Lins, escola nova, cheia de energia e com muito melhores recursos didáticos que a faculdade de Alfenas, na época. Em julho de 1956, último ano do curso de odontologia, aos 24 anos, meu Pai, Dr. Climério Navarro Vieira casou-se com a namorada, Odete Modesto dos Santos e a levou para morar em Lins, numa pensão, até que terminasse a faculdade.
Em seguida à formatura, em dezembro daquele ano, adquiriu uma clínica odontológica na cidade de Santo Antônio da Posse SP, próxima a Campinas, para onde foi residir e iniciar sua carreira. Nessa cidade permaneceu por 5 anos até 1961. Fase da vida essa, cheia de dificuldades financeiras, mas também de muito ânimo e energia, pagou suas dívidas da compra da clínica dentária aos seus irmãos José Navarro, Padre Alberto Navarro e seu cunhado Limercy Forlin. Foi quando adquiriu seu primeiro veículo, fato marcante para todo jovem da época.
De 1957 até 1961, usava esse veículo Chevrolet 1937, apelidado de “Leão” que por ser seu primeiro carro, muito marcou a vida do casal Dr. Climério e Da. Odete. Sendo usado e antigo, fez com que passassem por peripécias pitorescas, sempre comentadas na família durante os anos seguintes. Foi com esse veículo que ele aprendeu suas fortes noções de mecânica automotiva, o que lhe fez pegar gosto por mecânica em geral, mantido durando toda sua vida.
Em 1958 teve seu primeiro filho, Antônio Carlos, que infelizmente faleceu 48 horas após o nascimento, devido ao uso de fórceps no parto. Em maio de 1959 teve seu segundo filho, Climério também, nascido na maternidade de Campinas.
Em 1961, logo após o nascimento de sua terceira criança, Odete Maria, mudaram-se todos de São Sebastião da Posse SP (Posse de Ressaca) para Muzambinho – MG, afim de ficarem mais perto dos pais e sogros, quando estabeleceu sua clínica odontológica na avenida Dr. Américo Luz, em prédio alugado de Da. Josefina Coimbra, viúva do Dr. Fábio Coimbra. Essa clínica permaneceu sob seu comando até o ano de 1979, quando se transferiu definitivamente para Poços de Caldas com a família.
Em 1962 mudou-se para sua primeira casa própria, na rua Tiradentes 650. Casa essa construída em terreno ao lado da antiga casa de seus pais, de propriedade de seu irmão Padre Alberto Navarro Vieira, vigário em Botelhos, que financiou toda a obra, vindo a lhe vender pelo preço de custo em 1964. Essa casa foi construída pelo ser Hermenegildo Pulcinelli, pedreiro e construtor tradicional de Muzambinho.
Em final de 1962 parou de fumar ao adquirir seu primeiro veículo 0 Km. Era uma promessa feita a sim mesmo. Foi uma caminhonete Pick-up Willys comprada através de financiamento rural com o Banco do Brasil, para o plantio de batatas nas terras herdadas do seu Pai, Climério de Paula Vieira, parte da fazenda denominada Bom Jesus, no município de Botelhos – MG, região denominada dentro da fazenda como “Óleo” por possuir uma pequena mata onde havia muita madeira “óleo”.
Nessas terras, 18 alqueires aproximadamente, ele plantou café na parte alta e criou gado nos pastos da parte mais baixa, onde também plantou batata. Em 1965 vendeu-as ao Sr. Geraldo Pio, vizinho, que em negociação com o Sr. José Navarro Vieira, seu irmão e também vizinho, através de permuta, acabou como proprietário das mesmas. O negócio foi fechado na casa paroquial de Botelhos, onde residia sua mãe Da. Francisca Navarro Vieira, em companhia de seu filho o vigário Padre Alberto. Com essa venda, adquiriu em Muzambinho um sítio no Bairro Belém, que colocou o nome de Bom Jesus, preenchendo ¾ da terra com cafezal.
Em 1963 teve seu 4º. filho, João Eudes e em 1965 a caçula Patrícia. Um ano antes havia falecido seu pai Climério de Paula Vieira. Era o ano da revolução de 1964.
Em 1965, foi nomeado para o cargo de Delegado da Executiva Municipal do diretório da ARENA de Muzambinho, junto com Duílio Boreli e Afonso Bueno, sendo membro fundador do partido na cidade, quando passou a participar ativamente da política local e regional, sendo o principal cabo eleitoral nas cidades da região, em favor de seu irmão mais velho Sebastião Navarro, que era deputado estadual e depois federal.
19/02/1966 tornou-se dentista concursado do estado de Minas Gerais, lotado no Grupo Escolar Frei Florentino. Pediu exoneração provavelmente em 1968.Em 1966, adquiriu um segundo veículo 0 Km, um Jeep Willys, comprado na Agência MAVEL da cidade de Alfenas Mg.
29/10/1967 fez o cursilho da cristandade, na arquidiocese de Campinas, quando na sua residência passou-se realizar reuniões de estudo bíblico durante praticamente todo o ano de 1968, influenciado também pelo seu passado religioso, irmão de 3 padres e uma freira carmelita, e filho de comendadores da igreja católica.
Em 1970 foi escolhido candidato a prefeito pelo antigo grupo da UDN (Domingos Mazzilli – Afonso Bueno – Messias Gomes – Dr. Luiz Leite, Joaquim Teixeira e outros), porém declinou da candidatura, ponderando que o momento da vida era de bem criar os filhos, todos ainda muito crianças e cuidar de sua promissora carreira profissional, que de fato começou a deslanchar exatamente nos últimos anos da década de 60.
Em 1970 montou uma segunda clínica odontológica em Poços de Caldas, quando passou a dar expediente na mesma 2ª, 3ª. e 4ª. feiras. Nesse ano visitava sua mãe, Da. Francisca Navarro Vieira, em Botelhos, toda semana, até que em 1971 ela veio a falecer.
Em setembro de 1972 pediu sua desfiliação do partido e demissão do cargo de membro da executiva do diretório municipal da Arena de Muzambinho, ocasião em era presidente do diretório o Dr. Luiz Leite – Dr. Lulu.
No entanto, sem deixar a coisa pública, em agosto de 1973 foi eleito à unanimidade pelo conselho deliberativo, como vice-diretor da recém-criada Escola Superior de Educação Física de Muzambinho, ocasião em que era presidente da fundação o Dr. Antero Veríssimo da Costa.
Exerceu o cargo por 2 anos, quando pediu sua exoneração, por estar com seu tempo comprometido com 2 clínicas odontológicas, sendo uma delas na cidade de Poços de Caldas.
Em 1974, seu irmão João Batista Vieira, deixou a batina e veio morar em Muzambinho, tornando-se professor na Colégio Estadual e seu sócio no recém adquirido Sítio Pinhal, no caminho da serra dos Cristais, muito próximo da fazenda do Sr. Joaquim Teixeira. Terras essas que manteve até o fim de sua vida, transmitindo-a aos filhos como parte da herança.
No ano de 1979, meu pai mudou-se definitivamente para Poços de Caldas, porém conservando suas terras em Muzambinho, Sítio Pinhal, sítio D. Camilo e Sítio Bom Jesus, no bairro Belém, próximo as terras dos filhos do Sr. Pedro Modesto dos Santos, tio de sua esposa. Os sítios Bom Jesus e Dom Camilo só deixaram nossa família na década de 80, quando de sua separação, acabou por vender o Bom Jesus, enquanto sua ex-mulher, minha mãe, vendeu o Dom Camilo.
Por volta de 1980, separou-se da esposa e veio a se casar com Maria Esmeralda Melo de Paula, filha do Sr. Messias Gomes, ex-prefeito de Muzambinho. Permaneceu casado com sua segunda esposa por 21 anos, até a separação em 2001. Foi uma época de adaptação e conflito com os filhos, porém tudo superado com o passar dos anos. Um ano após sua segunda separação, em 2002 venderam seu apartamento na rua Rio Grande do Sul, residência emblemática durante grande parte do seu casamento com Maria Esmeralda. Novamente em 2004, o Dr. Climério Navarro veio a constituir nova família com Gláucia Horacy Teixeira Mourão, filha do Dr. Benedito Mourão, tradicional médico de Poços de Caldas. Gláucia foi sua terceira esposa. Viveram juntos até 2015, quando morreram juntos, vitimados por acidente automobilístico causado por um motorista desatento e imprudente, que passou a mais de 120 km/h por um cruzamento de estrada, sinalizado para máximo de 60 km/h.
O Dr. Climério, como era conhecido por todos, trabalhou como dentista até os 75 anos de idade, quando em 2007 doou seus equipamentos odontológicos à entidade beneficente de Poços de Caldas conhecida como “Jaques”.         Como legado, meu pai, o Dr. Climério Navarro Vieira, além de razoável quantidade de bens que deixou para os filhos, fez com que estudassem, sustentando a todos durante anos, morando fora, em cidades distantes. Seus filhos tornaram-se um deles engenheiro elétrico e advogado, outra jornalista, um terceiro é dentista e uma quarta é engenheira civil. Todos até o momento conseguiram manter-se na classe média, tendo adquirido condições financeiras levemente superiores à dele, o muito lhe orgulhava, sendo que alguns possuem o título de Mestrado.
Ele transmitiu aos filhos e netos sua tradição de trabalho, honestidade, religiosidade, amor ao próximo e participação na sociedade. Infelizmente recebeu a notícia que seria bisavô somente quando sedado na UTI, dias antes de seu falecimento. Deixou 4 filhos, 7 netos e um bisneto – Davi J. Vieira.

13631568_929795057148817_4013819029274450475_n
QUE DEUS O TENHA MEU AMADO E ADMIRADO PAI.

 

13590520_929784927149830_5759323760437102769_n13603773_929784937149829_5033910154342906944_o13606867_929785513816438_4446084511678503229_n13529041_929782707150052_1791099130556115707_n13668777_929782323816757_306565551377790334_o13619980_929789800482676_7367154148982649549_n13615341_929789750482681_7051673964188746437_n– 13606825_929790013815988_761983118959241120_n13615311_929789540482702_7129404389542294237_n

Por  Climerio Dos Santos Vieira.

Cleusa Ely

O portal muzambinhense de recordações ilustrativas, nos remetendo ao saudosismo e sentimentalismo. Sou apaixonada por fotografias antigas e essa particularidade me fez criar a página Sou mais Muzambinho. Desde fevereiro de 2012, faço do meu hobby, uma realização pessoal. Essa página não seria tão ilustrativa sem a ajuda de meus colaboradores. Chego à ser cansativa nos pedidos às pessoas que possuem um acervo interessante, mas é na insistência que consigo fotos fabulosas e de valor inestimável. As fotos atuais são feitas por mim, para um comparativo de lugares e ângulos iguais às fotos antigas. Tenho orgulho de minha cidade e quero que suas belezas naturais sejam compartilhadas com todos nossos conterrâneos. Obrigada à todos por fazerem da minha realização a sua contemplação.

7 comentários em “Dr. Climério Navarro Vieira

    • julho 23, 2016 em 9:10 am
      Permalink

      Oi Maria Lucia. Infelizmente ela ja faleceu tambem, 15 dias antes do Papai, em Pocos de Caldas. Se voce quiser recordar mais dela, veja no meu facebook. Ha ali varias fotos dela, tanto atuais quanto antigas. Abraco. Climerio.

      Resposta
  • julho 12, 2016 em 6:20 pm
    Permalink

    Vocês devem ser meus parentes. Meu Pai era Saturnino Vieira e Silva Neto filho de Pedro Saturnino Vieira Magalhães e Judith Navarro Vieira Magalhães. Bela biografia. Abraços.

    Resposta
    • julho 23, 2016 em 9:24 am
      Permalink

      Ola Juliana. Muito provavelmente sim. Pelos nomes do teus pai e avos, ha duas possibilidades. Meu avo, Climerio de Paula Vieira, teve uma Irma, a Tia Salome, que casou-se com o Coronel Virgilio Silva, prefeito de Botelhos, na primeira metade do seculo 20, provavelmente na decada de 20 ou 30. Os muitos filhos deles, dos quais so me lembro agora do chamado pela familia de tio Eurico Silva, receberam o sobrenome de Vieira e Silva. Eles estao espalhados pelo estado de Minas, pelo que sei tanto em Pocos de Caldas e Uberlandia. Provavelmente em outras cidades tambem.
      A outra possibilidade de nossa ligacao, pode ser um outro irmao do meu avo, o cacula, filho da ultima esposa do meu bisavo, chamado de Albertinho Vieira, que casou-se justamente com uma irma da minha avo Francisca Navarro Vieira. Nesse momento nao estou me lembrando do nome dela, porem foram dois irmaos que se casaram com duas irmas, e ambas familias tem sobrenome Navarro Vieira. Tenho noticia que foram para o Parana, na decada de 40. Tenho contato com alguns deles. Abraco. Climerio. Faca contato comigo atraves do meu email, para investirgarmos mais essa relacao. Meu email e climeriosv@adv.oabsp.org.br.

      Resposta
  • julho 24, 2017 em 8:33 pm
    Permalink

    Olá Cimério.Bela Biografia.Pesquiso há muito tempo as Famílias Navarro e Pereira Magalhães.Pelo lado
    materno sou neta do Joaquim Leonel Pereira Magalhães(Quinzinho Magalhães) de Cabo Verde e de Josefina Navarro Magalhães filha do Barão de Cabo Verde-Luiz Antonio de Moraes Navarro. Minha mãe
    nos contava que o Sebastião Navarro Vieira era primo dela.
    Minhas pesquisas estão adiantadas.Estou escrevendo a história da família Moraes Navarro e Pereira de
    Magalhães(do meu avô).Minha mãe chamava-se Eumênia Navarro Magalhães(D.Noivinha)natural de
    Cabo Verde. Porém,no momento estou encontrar qual relação da família LUZ com a família Moraes Navarro,ou a família Pereira Magalhães. Conhece esse tronco das famílias?

    Resposta
    • agosto 24, 2017 em 8:07 pm
      Permalink

      Olá Climério,em julho de ano entrei em contato consigo para como outras pessoas queria saber sobre
      os:Magalhães Pereira,sobre os Navarros Pereira e sobre os Navarros Vieira.
      Como lhe disse estou há bastante tempo pesquisando sobre a família de minha mãe:filha de Josefina Navarro Magalhães e Joaquim Leonel Magalhães(Quinzinho).
      Ainda não consegui descobrir de que lado era a senhora que minha mãe Eumênia Navarro de Magalhães chamava de:Tia Ursulina.Sabe me informar se essa Ursulina era dos Navarros ou dos magalhães? Adorei a sua matéria.
      Abraço. Nivia Eumenia

      Resposta
      • agosto 25, 2017 em 8:20 am
        Permalink

        Olá Nívea
        Infelizmente não sei te responder. Porém vou te indicar 3 pessoas para você perguntar:
        1. Cecília Navarro, prima do meu pai, atualmente com 92 anos de idade, porém super lúcida, e com uma memória incrível. Ela é intelectual e mora em Cabo Verde MG, cidade pequena, onde todos a conhecem. Será fácil você encontrar o endereço dela pesquisando com pessoas de lá.
        2. Sebastião Navarro Vieira Filho, ex prefeito de Poços de Caldas. Hoje com 80 anos de idade. Você pode encontra-lo através do facebook dele: “sebastião navarro”.
        3. Elias Navarro Vieira, com 94 anos, ex padre, mora em Campinas SP e acaba de lançar um livro sobre a família. Tem também memória prodigiosa. Você pode entrar em contato com ele através do facebook da filha dele: Sandra Vieira Sahad: “sandra sahad”.
        Boa Sorte.
        Climério dos Santos Vieira – OABSP341604
        climeriosv@adv.oabsp.org.br

        Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *